Caramuru ganha mercado ao focar meio ambiente

Demanda por sustentabilidade vem antes da conversa sobre produto, diz diretor da empresa
 

Coluna do Broad Agro, O Estado de S. Paulo
26 de outubro de 2020 | 05h00
 

A Caramuru Alimentos ganhou mercados depois de um amplo trabalho de monitoramento ambiental e social das 14 mil propriedades produtoras que lhe fornecem grãos. A empresa, que atua em processamento de soja, milho e girassol e nos segmentos de consumo, nutrição animal, industrial e biocombustíveis, exporta agora também para Canadá, Austrália, México e Equador.
 

“A demanda por sustentabilidade antecede a conversa sobre o produto. Os compradores querem saber como ele é feito e de onde vem”, diz Davi Depiné, diretor de Fomento. Após três anos consultando listas de embargos ambientais e de trabalho análogo à escravidão, a empresa utiliza, desde 2019, uma plataforma da agtech Agrotools que oferece imagens de satélite e ampla base de dados para descartar sobreposição de lavouras e unidades de conservação e terras indígenas, embargos de CPF por questões ambientais ou sociais e desmatamentos recentes.
 

Empresa monitora fornecedor sob aspectos ambiental e social Foto: Jonne Roriz/Estadão

Empresa monitora fornecedor sob aspectos ambiental e social Foto: Jonne Roriz/Estadão


 

Hoje, dos 5,5 mil produtores com os quais a Caramuru se relaciona, 74% atingiram o nível máximo de conformidade. O plano é chegar a 100% em março de 2021.
 

Alavanca
Com mais clientes, a Caramuru espera ver sua receita de exportação crescer até 15% em 2021. Neste ano, o faturamento total deve se aproximar dos R$ 5,9 bilhões, quase R$ 1,7 bilhão ou 39% a mais do que em 2019 – os derivados de soja são 89% do total. O incremento de 2020 virá, em boa medida, da valorização do dólar ante o real, já que 49% do faturamento resulta de vendas externas.
 

Foco na demanda
O monitoramento da cadeia produtiva permitirá à empresa acelerar outro importante projeto: identificar mais produtores de soja não transgênica, com forte demanda internacional. “O uso da tecnologia é importante porque um cliente do grão convencional é mais exigente do que o do transgênico”, explica Depiné. A meta é ampliar em até 20% o volume originado do grão convencional na safra 2020/21, para um total de 738 mil toneladas. A soja não transgênica representa 30% do total de soja adquirido pela Caramuru.
 

Avança
A Cdial Halal prevê fechar o ano com um volume 10% maior de carnes certificadas para consumo islâmico, segundo Ali Saifi, CEO da certificadora. Ele conta que nos três primeiros meses da pandemia de covid-19 países árabes compraram mais para garantir suprimento. “Mas passou um tempo e o volume continuou superando o do ano passado”, diz. “Um novo patamar se consolida.”
 

Diversifica
Carnes de aves são o maior mercado da Cdial mas o segmento de carne bovina tem se destacado este ano. De janeiro a setembro, o Brasil exportou 283,63 mil toneladas de carne bovina halal, o equivalente a 19% da exportação total do País, conforme a Cdial Halal, a partir dos dados da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec).
 

Mais dinheiro
A Sociedade Rural Brasileira (SRB) está conversando com instituições financeiras, fundos de investimentos e a B3 para tentar reduzir o custo do crédito aos produtores. A ideia é criar um sistema de registro e negociação de Cédulas de Produto Rural (CPRs) vinculadas a garantias como hipoteca de patrimônio de afetação (em vez de usar a fazenda inteira como garantia, o produtor usa só parte da propriedade), seguro de riscos climáticos ou um fundo solidário de devedores. “Há garantias previstas na Lei do Agro que podem ser inclusas”, diz Teresa Vendramini, presidente da entidade.
 

Dificuldade
O advogado Frederico Favacho, do escritório Mattos Engelberg Echenique, diz que a questão no momento é saber que empresa fará o registro, como o processo vai funcionar e quanto vai custar, já que as garantias da CPR também precisam ser registradas em cartório. “O que o setor está tentando é um caminho para facilitar o registro da CPR e das garantias e obviamente que não seja caro.”
 

Devolve
A consultoria BMS observa uma corrida de produtores para reaver pagamentos de Funrural feitos em exportações intermediadas por empresas como tradings. No último mês, cerca de 120 produtores procuraram o escritório para tratar do assunto, conta a advogada Olívia Couto. O Funrural é a contribuição previdenciária sobre receita bruta obtida na comercialização. Em setembro, Instrução Normativa 1.975, da Receita Federal, revogou a regra anterior, que isentava da contribuição somente quando as exportações fossem feitas diretamente com o importador. Agora, todas as exportações, diretas ou indiretas, são isentas de Funrural.
 

Competitividade
Olívia explica que a norma anterior punia pequenos e médios produtores, que dependiam de tradings ou cooperativas para exportar seus produtos. “Uma das principais consequências da mudança é que o produto brasileiro para exportação será desonerado e se tornará mais competitivo no mercado internacional.” Segundo Olívia, produtores pessoa física pagavam 1,5% de Funrural sobre a receita das exportações indiretas.
 

CLARICE COUTO e LETICIA PAKULSKI

 

https://economia.estadao.com.br/noticias/agronegocios,caramuru-ganha-mercado-ao-focar-meio-ambiente,70003488881

 
https://www.caramuru.com/institucional/wp-content/uploads/2020/10/Caramuru-ganha-mercado-ao-focar-meio-ambiente-Economia-Estadão.pdf