Logística

Ao longo da sua história, o Grupo Caramuru se sobressai por grandes investimentos em logística, essenciais para o aumento da utilização de transportes multimodais e a diminuição dos custos operacionais no país.

Para auxiliar a movimentação dos nossos produtos e grãos, criamos a Caramuru Transportes, empresa que busca proporcionar uma estrutura de logística cada vez mais consolidada e diferenciada para o Grupo Caramuru, além de apoiar nossos produtores e oferecer soluções integradas aos nossos clientes e parceiros.

Fruto de grandes investimentos em estrutura e com foco na elaboração de uma rota multimodal, o fluxo do Grupo Caramuru se tornou uma referência nacional, com grande capacidade de operações, interligando nossas fábricas, produtores, terminais e armazéns por meio de um sistema que engloba hidrovias, rodovias, ferrovias, portos e vias marítimas. Hoje, possuímos 73 armazéns localizados em pontos estratégicos, e somos o maior usuário da hidrovia Tietê-Paraná, um de nossos principais meios de escoamento para exportação.

Um diferencial que foi construído por uma trajetória repleta de grandes marcos para o Grupo Caramuru e para o Brasil. Em 1999, por meio de um acordo com a Citrosuco, o Grupo aplicou US$ 4 milhões no Porto de Santos (SP), no Armazém XL, com capacidade de 65.000t, e US$ 1 milhão na construção do Terminal Hidroferroviário em Pederneiras (SP), com capacidade para armazenar 60.000t de produtos.

No ano seguinte, esses investimentos se intensificaram com o início da parceria com a ALL – América Latina Logística do Brasil S.A. Com US$ 12,221 milhões, concretizamos o acordo e a participação de 50% no Terminal XXXIX, no Porto de Santos (SP), com capacidade de 135 mil t de grãos e/ou farelo de soja. Com esse crescimento, a previsão é de que o porto receba 3,5 milhões de toneladas de soja, milho e farelo destinados à exportação.

Em agosto de 2003, a atuação do Grupo Caramuru marcou a história da logística de transporte brasileira ao adquirir cinco locomotivas GE C-30 e 120 vagões graneleiros Hopper, com 100m³ e 125m³ de capacidade. Foram aplicados cerca de R$ 18 milhões, com foco nas operações do trecho ferroviário entre o Terminal Hidroferroviário da Caramuru em Pederneiras (SP) e o Porto de Santos (SP).

No aproveitamento dessa estrutura multimodal, se destacam, por exemplo, a rota ferroviária que escoa a produção de Itumbiara (GO) para o Porto de Tubarão, em Vitória (ES), e o nosso escoamento feito no Porto de Santos (SP). Nesse caso, nossa produção viaja por rodovias dos armazéns no Mato Grosso e Goiás até nossa indústria em São Simão (GO), de onde saem comboios de 6 mil toneladas de farelo e grãos de soja pelos rios Paranaíba, Paraná e canal Pereira Barreto até chegar ao Tietê.

Parte deles atraca no porto de Pederneiras (SP) e segue de trem até o Porto de Santos (SP),onde nossos produtos são exportados. Outros desembarcam no porto de Anhembi (SP) e vão até Santos (SP) por rodovias. O uso do modal ferroviário representa a retirada de aproximadamente 170 carretas por dia das estradas brasileiras, além de uma economia de até 20% no custo final de nossos produtos.
mapa_goias mapa_matogrosso  mapa_paranamapa_saopaulo